Você ainda vai ter um carro elétrico no Brasil

Agora chegou o futuro, quem diria? Já estamos praticamente em 2020, um futuro tão distante que é marcado por tecnologia e inovação para facilitar o dia-a-dia do ser humano em qualquer tarefa, até quando o assunto é abastecer seu carro. Pois é, você pode estar a uma tomada elétrica disso na garagem da sua própria casa. E quem afirma são os especialistas dizendo que a quantidade dos carros tanto elétricos como híbridos provavelmente seja crescente nos próximos anos em nosso país, apesar dos desafios.

Carros
2 meses atrás
Você ainda vai ter um carro elétrico no Brasil

Uma realidade que está cada dia, uma tomada mais perto. Brevemente deveremos receber os modelos de com valor de mercado de caber no bolso comparado aos disponíveis no mercado contemporâneo. Porém, estes mesmos modelos tem seus preços bem salgados no mercado se comparado aos carros com motores a combustão, mas mudanças do Rota 2030 provavelmente influenciem a produção nacional fazendo com que estes custos sejam consideravelmente diminuídos.

O tipo de veículo é o topo da tecnologia se o que se diz é sobre locomoção, afinal, com a grande tendência de veículos autônomos, conectividade e compartilhamento, muita coisa boa deve acontecer para o setor automotivo em nível mundial nos próximos anos.

Para quem ainda não sabe, o primeiro modelo elétrico inventado no século XIX, hoje carrega uma estrutura totalmente modificada se comparada a um veículo com motor a combustão. Ou seja, estamos falando desde o conjunto de quatro motores, um para cada roda do veículo e um abastado pacote de baterias por baixo dos seus pés.

O bonitinho BMW i3 garantiu seu posto de primeiro carro que emite Zero-Emissões no país, vendido no varejo e com isenção do rodízio de veículos no município de São Paulo.

Mais um dado relevante é que entre as universidades brasileiras a USP é a mais envolvida no tema, que já ultrapassou o uso de motinhos elétricas de patrulhamento por toda a sua margem, segue implementando um eletroposto para recarga lenta de carros elétricos. Há um estudo acadêmico patrocinado pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) conduzido pelos professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da universidade (FEA-USP), citanto impactos socioeconômicos e perspectivas de modelos de negócios quando o assunto é Veículo Elétrico por toda a região da grande São Paulo.

Como tudo começou?

Vamos nos dedicar a contar um pouco da história do carro elétrico pelo mundo, de como tudo começou citando o primeiro projeto de motor elétrico com um estudioso húngaro, Ányos Jedlik, no ano de 1828. Mas o primeiro veículo elétrico só foi realizado por Thomas Davenport em 1835. Desde então e por todo o século XIX, os modelos elétricos foram reinventados e adaptados primeiramente em trilhos.

Falando em velocidade, o primeiro automóvel que ultrapassou os 100 Km/h foi o carro elétrico La Jamais Contente no Parc agricole d’Achères, na França, especificamente em Paris, no mês de abril ainda em 1899, num projeto de Camille Jenatzy que apresentou uma aerodinâmica revolucionária para a época.

Chegando no século XX algumas companhias como Baker Electric, Columbia Electric e, Detroit Electric estavam iniciando o processo de fabricação de veículos elétricos, que em 1900, 28% dos veículos produzidos nos Estados Unidos eram elétricos.

Quem modificou e influenciou o meio automotivo por conta da produção em massa dos veículos de combustão foi o famoso Henry Ford, fazendo com que a produção por linha de montagem diminuísse o custo de produção assustadoramente.

Em junho de 2012 o município de São Paulo foi agraciado pelos dois táxis elétricos, primeiros do país, o Nissan Leaf, disponíveis para passageiros. Em setembro de 2014, o BMW i3 foi o primeiro veículo elétrico plug-in no Brasil para uso comercial. Em maio do mesmo ano, a Prefeitura de São Paulo aprovou uma Lei prevendo que carros elétricos, híbridos e a célula de hidrogênio emplacados na cidade sejam reembolsados em 50% do IPVA pago, uma devolução limitada a 10 mil reais valida por cinco anos. Então o carro não pode custar mais de R$ 150 mil. Veículos com propulsão alternativa também são isentos do rodízio de veículos de São Paulo. Tudo para estimular a políticas semelhantes por todo o Brasil.

Voltando ao BMW i3 é o primeiro veículo elétrico elegível para a isenção do rodízio para carros com propulsão alternativa emplacados em São Paulo. Vários automóveis híbridos disponíveis no mercado, como o Toyota Prius e Ford Fusion Hybrid, também são beneficiados com a isenção do rodízio e o incentivo tributário.

Fabricação

Países como Estados Unidos e Japão tiveram sua fabricação a partir da indústria automobilística, preocupada com o constante aumento do preço do petróleo. No Brasil, a iniciativa se deu pelas usinas hidrelétricas, lideradas pela Itaipu, apresentando o protótipo do Palio elétrico no ano de 2006.

O que compõe um veículo elétrico:

  • Bateria
  • Motor elétrico
  • Conversor DC/AC em alguns casos
  • Conversor DC/DC em alguns casos
  • Controlador de velocidade
  • Painel de instrumentos

O carro elétrico no Brasil

Pratyko: carro voltado especificamente para cadeirantes desenvolvido com o apoio do estado em Santa Catarina. Nele não é necessário sair de sua cadeira de rodas para entrar e guiar o veículo.

Itaipu e o Projeto VE: desenvolvimento e pesquisa de veículos movidos a energia elétrica, sediado em Itaipu, é composto por três grupos de trabalho para o desenvolvimento do Fiat Palio Weekend Elétrico (carro para uso urbano), Daily Elétrico (caminhão elétrico para pequenas cargas) e Granmini Elétrico (miniônibus elétrico). O projeto VE gera emprego, capacitação e renda.

CPFL Energia e o Projeto de Mobilidade Elétrica

Projeto que iniciou em 2013 com a CPFL Paulista em cooperação com a CPFL Piratininga e Rio Grande Energia, três empresas pertencentes ao Grupo CPFL Energia, formataram o Projeto de Pesquisa, integrando veículos elétricos nas frotas de grandes empresas da região, para construir um laboratório real de Mobilidade Elétrica na Região Metropolitana de Campinas (RMC), criando condições de realização dos estudos de impacto da mobilidade elétrica no setor elétrico.

Quais são as vantagens do carro elétrico

Diminuição da poluição ambiental:
O monóxido de carbono que surge da combustão num veículo convencional é nocivo para a saúde humana. Os gases com efeito de estufa, nos quais o dióxido de carbono se inclui, são também responsáveis pelo aquecimento global e pela desregulação climatérica do planeta. Veículos elétricos não emitem gases somente no ato de fabricação dos veículos e das respectivas baterias.

Diminuição da poluição sonora:
O ruído ou poluição sonora é causador de danos para a saúde humana no sistema auditivo e no sistema endócrino, provocando estresse, hipertensão arterial e problemas circulatórios.

Poupança nos combustíveis:
O veículo elétrico torna-se vantajoso pois tem um baixo gasto em locomoção, é energeticamente mais eficiente que o veículo de combustão, tendo um gasto de energia por espaço percorrido menor.

Ponto de vista pelas desvantagens de um carro elétrico

Preço:
Carros elétricos ainda têm um preço elevado quando comparados com os equivalentes de combustão interna.

Autonomia:
Carros eléctricos ficam entre os 100 km e os 200 km, o é normalmente pouco.

Espaço:
Alguns carros elétrico tem o espaço igual ao de um carro convencional, poderiam ser bem menores.

Outras formas de poluição ambiental:

Quando se fala que o carro elétrico não polui, apenas um terço da afirmação está correta, porque ele polui tanto como um saco de plástico no processo de destruição. Não se informa o grau de poluição para a destruição das suas baterias quando elas atingem o tempo de vida útil. E é preciso observar a origem da energia elétrica usada nos veículos, que em muitos casos tem matriz energética que pode vir de formas tão poluentes como as tradicionais.

Portanto, não se pode falar de 100% ecológico. O uso desses veículos deve vir acompanhada com fontes renováveis e menos poluentes.

Conversão em veículo elétrico

Há uma empresa portuguesa embrionária denominada McMob, que faz a conversão do veículo convencional de combustão interna, a gasóleo ou gasolina, para um veículo elétrico. De momento a conversão só é possível no veículo Smart com preço entre os 7000€ e os 10000€.

Atualmente dois tipos de carros elétricos são comercializados pelo mundo:

  • Carro com baterias recarregáveis;
  • Carro a hidrogênio, que através de uma reação química com o oxigênio produz corrente elétrica (o mais autônomo).

Como é o funcionamento de um veículo elétrico?

Os veículos elétricos fazem uso de bancos de baterias como fonte primária de energia. A energia armazenada nas baterias em forma química é convertida em energia elétrica, transportada aos motores e a conversão em energia mecânica, transformando força em movimento.

Como acontece o abastecimento de veículos elétricos

Bem simples, com um cabo é possível conectar o veículo à tomada e vice versa, algo muito parecido com o processo de carregar a bateria do seu celular ou aparelhos similares.

O Rota 2030 determinou que carros híbridos e elétricos receberão incentivos fiscais. Nimax cita o Nissan Leaf e Chevrolet Bolt como modelos 100% elétricos. Nunca vieram para o Brasil antes mas especialistas afirmam que estarão no mercado nacional como opções de carros elétricos e híbridos no país. Fabricantes também poderão passar a industrializar e vender este tipo de carro aqui.

A BR-116 (rodovia Presidente Dutra), recebeu seis pontos de carregamento, com 122 quilômetros de distância máxima entre eles. Estrutura implementada por iniciativa privada e, por enquanto, recarrega os veículos gratuitamente. Por trás do investimento está um grupo de empresas que inclui a BMW, alemã que vende o elétrico i3.

Outro trecho que também contará com pontos de recarga será a rodovia que liga Foz do Iguaçu a Paranaguá, onde a Itaipu está instalando 10 eletropostos

Pontos de carregamento públicos e semipúblicos

Usuários de veículos elétricos contam com apenas cinco pontos de recarregamento em operação no âmbito do Projeto de Mobilidade Elétrica. Quatro em Campinas, um em frente à sede da CPFL, o segundo na área externa do posto de serviços da Bosch, no bairro Jardim do Trevo, o terceiro no Centro de Convivência, no bairro do Cambuí, e o quarto no Shopping Iguatemi Campinas. O quinto eletroposto foi instalado no Posto Graal 67, na Rodovia Anhanguera, na altura de Jundiaí (SP).

O projeto expandirá a rede de carregamento, dentro da Região Metropolitana da Campinas e em alguns pontos na rodovia, chegando em até 25 eletropostos.

Quais são os obstáculos a serem vencidos

McKinsey fez um estudo sobre as perspectivas dos carros híbridos e elétricos no Brasil. Em 2030 de 10% a 30% dos veículos brasileiros deverão ser elétricos, entre eles, a maioria híbridos. Atualmente, os números estão em 0,2%. Então para o futuro próximo, o uso do carro elétrico se dará principalmente no trajeto de casa para o trabalho. Ao contrário dos carros totalmente elétricos, veículos híbridos podem dispensar a necessidade de recarga, ou depender menos dela.

A espera do ‘primeiro’ carro elétrico 100% brasileiro em 2020

Mobilis
Mobilis

Desconsiderando o talvez esquecido Gurgel Itaipu, verdadeiro primogênito, aparece um novo produto chamado de “Li” pela startup de Santa Catarina, Mobilis, que lançou o segundo “primeiro” veículo elétrico 100% brasileiro. Movido por baterias de íons de lítio desenvolvido em 3D que chega com preço aproximado de R$ 65 mil. Até o momento, existem duas versões deste carro: motor AC de 4,5KW, com velocidade máxima de 45km/h; e motor AC de 7,5KW, que pode chegar até 60km/h. Uma carga completa na bateria, em tomada comum, demora 6h e entrega uma autonomia de 50 km – pouquinho né? Com fé ainda há de melhorar, talvez numa tomada 220.

Novo BMW i3 chega ao Brasil por R$ 199.950

BMW i3
BMW i3

Pioneiro ao oferecer, no Brasil, um automóvel totalmente elétrico para aquisição do consumidor final, o BMW Group permanece firme em sua estratégia de eletrificação no país com o lançamento do Novo BMW i3. Revolucionário desde a sua estreia mundial, no segundo semestre de 2013 e lançado no mercado nacional, em setembro de 2014; o BMW i3 desembarca no país renovado visualmente e ainda mais eficiente. O modelo está disponível para compra por encomenda nas concessionárias exclusivas BMW i localizadas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Bahia, Pernambuco e no Distrito Federal; nas versões i3 REX, com preço sugerido de R$ 199.950, e i3 REX Connected, que parte de R$ 211.950, e REX Full, por R$ 239.950. O cliente pode conhecer mais detalhes por meio do hotsite exclusivo www.bmw.com.br/i3.

“Estamos muito orgulhosos em disponibilizar o Novo BMW i3 ao consumidor brasileiro, pois ele retrata o pioneirismo e inovação do BMW Group no que se refere à mobilidade urbana e sustentável. Ao longo destes quatro anos desde o seu lançamento no Brasil, o BMW i3 se tornou uma referência quando o assunto é motricidade eletrificada, conectada e compartilhada. E acreditamos que esta nova versão, atualizada, tem todos os atributos para cativar consumidores brasileiros ávidos por tecnologia e sustentabilidade”, ressalta Nina Dragone, Diretora de Marketing e Produtos da BMW do Brasil. “O cliente poderá encomendar o carro com cores e a versão que desejar, tendo mais liberdade de escolha”, reforça a executiva.

Concebido desde a fase conceitual como um veículo elétrico e perfeito para o deslocamento urbano, o Novo BMW i3 potencializa o prazer de dirigir, livre de emissões de poluentes, graças ao seu conjunto motriz, que inclui uma unidade elétrica BMW eDrive capaz de entregar 125 kW (170 cv), entre 4.500 e 5.000 rpm, e 250 Nm de torque, de 75 a 4.800 rpm, uma transmissão automática continuamente variável, tração traseira, e baterias de alta voltagem de íons de lítio, com maior capacidade de armazenamento de energia – 94 Ah/33 kWh. Nesta configuração, o novo i3 REX alcança 180 quilômetros de autonomia no modo exclusivamente elétrico (até 235 quilômetros no ciclo NEDC), e mais 150 km, com a ajuda do extensor de autonomia (REX), que agrega um motor a gasolina compacto, de 647 cm³. O Novo BMW i3 acelera de 0 (zero) a 100 km/h em 8,2 segundos e atinge a velocidade máxima de 150 km/h.

Distância Entre Pontos

Antes de viajar por aí você deve se programar muito bem, olhando o mapa e traçando a rota até o local desejado, isso é muito importante pensando na segurança da viagem e a comodidade, pois quanto melhor o percurso, mais proveitoso será o seu passeio. O DistanciaEntrePontos.com.br te ajuda a se preparar para a estrada.

Vamos Bater um Papo?